Google+ Followers

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Bairro Peixoto - O seu marco inaugural

A área que hoje conhecemos como Bairro Peixoto, em sua origem pertencia à chácara do comerciante e comendador português Paulo Felisberto Peixoto da Fonseca. Como não possuía descendentes diretos, ainda em vida dividiu suas terras entre cinco instituições de caridade: Associação Asilo São Luís para a Velhice Desamparada, Sociedade Portuguesa Caixa de Socorros D. Pedro V, Sociedade Portuguesa de Beneficência do Rio de Janeiro, Casa dos Expostos e Hospital Nossa Senhora das Dores. Como condição determinou que os empreendimentos para o local não contemplariam estabelecimentos comerciais e não poderiam ter mais de três pavimentos. Esta última exigência seria alterada, pelo Prefeito Mendes de Moraes (1947-1951), para quatro andares.

 Eliseu Visconti - 1930

A parte do terreno  destinada à praça, com base na doação do Comendador de 15 de Junho de 1938, foi delimitada em  15 de dezembro de 1942 e se tornou logradouro publico em 1945.
Nesse período foi instalado um Marco em homenagem ao Comendador Peixoto, de autoria de Honório Peçanha, inaugurado em 14 de dezembro de 1944, três anos antes de seu falecimento, em novembro de 1947.


 

No singelo monumento de granito bruto, foram  instaladas duas peças em bronze. A primeira com a efígie do Comendador e a outra, numa placa alusiva às suas doações, consta a  seguinte inscrição: Para a cidade um bairro; Para a criança um lar; Para o doente um leito e Para o velho uma casa.
 

Muito recentemente, em novembro de 2013, a partir da observação de Andre Decourt, morador do Bairro Peixoto,  foram realizadas  intervenções no terreno próximo ao pedestal, a fim de comprovar que na lateral do marco havia originalmente uma fonte de água. E realmente, as escavações levaram à tubulação de chumbo que alimentava a fonte. 

 
  
Os cortes na pedra e os orifícios de saída da água estavam completamente  obstruídos por cera de velas porque durante muitos anos o monumento serviu para orações.

 

A descoberta dessa pequena fonte junto ao marco, resgata a história do bairro e do seu benemérito, que com sua exigência na doação reservou uma área bucólica em plena Copacabana, reconhecida e protegida como Área de Proteção Ambiental da Cidade pelo Decreto 9226 de 13 de março de 1990.