Google+ Followers

domingo, 24 de outubro de 2010

Afranio de Melo Franco - terceira obra pública de Bruno Giorgi no Rio de Janeiro

Ontem, 23 de outubro de 2010, o Rio de Janeiro recebeu sua terceira obra pública de Bruno Giorgi, instalada na Avenida Afrânio de Melo Franco, em frente ao número 290, no Leblon, Zona Sul da cidade.

Em dezembro do ano passado, o embaixador Afonso Arinos de Melo Franco, procurou a Subgerência de Monumentos e Chafarizes da Prefeitura do Rio para ofertar o busto de Afrânio de Melo Franco, seu avô, que estava em sua residência em Petrópolis e havia sido posto à venda. A peça fora encomendada por Carlos Lacerda a Bruno Giorgi, para ser instalada na avenida que tem o nome do homenageado.

Desde então, foram muitas as reviravoltas nesta história, e a peça acabou ficando no gesso, sem finalização. Anos depois, o embaixador Afonso Arinos mandou fundir a peça e a manteve em sua residência. Mais tarde, diante do momento de vender a casa, ele resolveu doar a escultura à cidade ou ao Itamaraty. Procurou primeiro a Prefeitura, uma vez que a obra havia sido encomendada originalmente para o Rio de Janeiro. De imediato, todos os esforços foram feitos para que o busto passasse para o patrimônio da cidade.

É um busto em bronze, com cerca de 60cm de altura, fixado em um bloco maciço de granito rosa. Para a sua instalação, foi criado um outro pedestal em granito, incorporado ao original da família, a fim de dar a devida dimensão da obra em espaço público.




na residencia de Afonso Arinos em Petropolis

                                   


- à direita, Afonso Arinos, seu irmão e tetraneto de Afranio de Melo Franco

Essa doação enriqueceu o patrimônio da cidade com mais um peça única, original de Bruno Giorgi, pela generosidade de Afonso Arinos de Melo Franco, que, ao doá-la, homenageou não apenas seu avô, mas também o governador Carlos Lacerda e o Rio de Janeiro.

Brasília é a cidade que possui as mais importantes obras de Giorgi, mas o Rio conta com o Monumento à Juventude, próximo ao Palácio Gustavo Capanema, e outra peça doada pela Ecisa em 1985, em frente à Academia Brasileira de Letras, ambas no centro da cidade. A excepcionalidade do busto de Afrânio de Melo Franco engrandece Bruno Giorgi, que tinha, no mínimo, grande apreço pelo homenageado.


Ritmo


Monumento a Juventude

As obras do artista podem ser vistas neste vídeo:




Afrânio Camorim Jacaúna de Otingi de Melo Franco nasceu em Paracatu em 25 de fevereiro de 1870 e faleceu no Rio de Janeiro no dia 1 de janeiro de 1943. Foi um diplomata e político brasileiro.
Formado na Faculdade de Direito de São Paulo em 1891, foi promotor público em municípios do interior de Minas Gerais e, posteriormente, entrou para a carreira diplomática, tendo sido designado, já em 1896, segundo secretário de legação na embaixada em Montevidéu (Uruguai). Seu segundo posto foi a capital belga, Bruxelas.
Abandonou a carreira e em 1902 candidatou-se e foi eleito deputado estadual em Minas Gerais e, em 1906, deputado federal, tendo sido reeleito para vários mandatos até 1929. Foi ministro da Viação no governo Delfim Moreira e embaixador na Liga das Nações em Genebra, Suíça.
Na Câmara dos Deputados foi atuante em comissões de assuntos internacionais e também foi um dos relatores do Código Civil Brasileiro. Em 1919, comandou a delegação do Brasil na primeira conferência internacional do Trabalho, realizada em Washington.
Partidário da Revolução de 1930, foi ministro das Relações Exteriores, de 1930 a 1934, sucedendo a Otávio Mangabeira.